Como tudo começou


Após abril de 1974, foram vários os serviços públicos que implementaram a sua obra social. A Estação Zootécnica Nacional não foi exceção e, nos finais de 1974, princípios de 1975, os primeiros passos foram dados.

Em 1975, entre outras valências de apoio social, surgiu o infantário, que, segundo dados disponíveis, começou a funcionar com 34 crianças. As instalações eram provisórias mas depressa se percebeu que o futuro passava por outras condições, sobretudo de espaço, equipamento e pessoal com formação adequada.

Em 1977, nasceu um novo projeto que passou pela construção de novas instalações, onde iria funcionar uma creche com capacidade para 32 Crianças, um jardim de infância com capacidade para 70 Crianças, e um A. T. L. para 20 Crianças.

Em 1981 as obras estavam concluídas e, de 34 Crianças inscritas desde 1975, passaram a ser 122.

Com o tempo, devido ao envelhecimento dos funcionários e à falta de estruturas sociais nas freguesias da Póvoa da Isenta e Vale de Santarém, iniciou-se a primeira abertura ao exterior. Foi dada prioridade aos filhos de famílias de fracos recursos.

Esta abertura conduziu ao primeiro protocolo com o Centro Regional de Segurança Social de Santarém.

Em 1990, houve a necessidade de reestruturar os serviços sociais, sendo criada uma associação com a denominação de Centro Cultural e Recreativo de Apoio aos Filhos dos Trabalhadores da Estação Zootécnica Nacional. Esta estrutura foi crescendo ao longo dos anos e, de momento, tem capacidade para 58 Crianças em creche, 125 Crianças em jardim de infância, e 40 em A.T.L.

Para alargar o âmbito de atuação da Instituição alterou-se a sua designação para Centro Educativo e de Solidariedade Social EZN da Fonte Boa (CES- Fonte Boa) passando a atuar também no âmbito Social em particular no Apoio Domiciliário.

Hoje mantemos o acordo de cooperação com o Centro Regional de Segurança Social e com o Ministério de Educação, e recebemos Crianças do concelho de Santarém e Cartaxo.

Tem sido preocupação desta associação acompanhar os tempos e por isso tem uma relevância e afirmação nos seus serviços, o que permite evoluir de forma a viabilizar e ampliar as respostas sociais que possa vir a dar.

Para além do serviço educativo, o CES tem como resposta social o serviço de apoio domiciliário a funcionar desde março de 2012, com um acordo de cooperação para 15 utentes, dando no entanto apoio a 40 utentes nas freguesias de Póvoa da Isenta, Vale de Santarém e Almoster.

Desde 2012, o CES abraçou as cantinas sociais que fornece cerca de 100 refeições diárias a familias carenciadas das freguesias da Póvoa da Isenta e Almoster.